top of page
  • Foto do escritorNatasha Tortelli

A RAPOSA E AS UVAS

Atualizado: 13 de mar. de 2021

Fábula!


Uma raposa com muita fome, caminhava por dias, até que encontra um parreiral de uvas, que pareciam apetitosas. As uvas estavam no ponto certo, maduras e cheirosas. Como não tinha ninguém por perto, a raposa se preparou e tentou pegar as uvas a todo custo. O problema é que os cachos ficavam muito altos.

Ela fez de tudo para conseguir pegar os cachos. Tentou com alguns pedaços de árvores que tinham perto. Depois de tentar várias vezes, e não conseguir, desistiu, mas ainda estava com fome, cansada e desapontada. Resolveu ir embora, olhou para o parreiral e para consolar seu próprio fracasso, afirmou que as uvas ainda não estavam maduras, estavam estragadas.

Concluiu que não valiam a pena e seguiu conformada.


E o que você quer dizer com isso, Natasha?


Muitas vezes nos encontramos no lugar da raposa e as uvas representam algo que queremos muito. Tentamos alcança-lo, e depositamos todas as nossas habilidades para termos sucesso. Mas, às vezes, não fugiremos do fracasso.


Para amenizar a nossa frustração, concluímos que não valia a pena o esforço. Criamos inúmeras justificativas enfadonhas, com o objetivo de nos defender de julgamentos pelo nosso fracasso, emitidos pelos outros e por nos mesmos. Mentimos para a gente e para a sociedade, tentando ridicularizar tal objeto.


Você percebe que fica mais fácil desprezar aquilo que não conseguirmos ter, quando rejeitamos a nossa falha. Mas com tudo isso acabamos perdendo a oportunidade de crescimento.


Se identificou com a raposa?


Tente refletir: como você reage quando perde algo que a princípio seria valioso.


Quais lições podemos tirar da fábula?


  1. Nem sempre vamos ter o que desejamos: Mesmo que você de tudo de si, nem sempre vai conseguir alcançar o que deseja. E isso não significa que você é incapaz, mas as vezes não tinha a ferramenta necessária. Talvez você precisava ter se preparado melhor.

  2. Precisamos admitir a nossa culpa.

  3. O valor do objeto não vai mudar de verdade: Por mais que você desmereça o objeto depois do fracasso, o valor vai continuar o mesmo.


Quais as características da raposa?


  1. Teimosa: mesmo percebendo que não ia alcançar as uvas, ela continuou tentando, mesmo vendo que era inútil. A teimosia, muitas vezes, alimenta nossa frustração e os nossos erros.

  2. Arrogância: a raposa se achou superior ao ambiente, e acabou desdenhando o esforço da conquista.

  3. Desprezo: por não conseguir conquistar seu objetivo, achou que o desprezo iria diminuir seu descontentamento.


Fica claro o mecanismo de defesa da racionalização. A raposa encontra razões, justificativas e explicações para convencer ela mesma do contrário do que o fato está mostrando.


E aí, você percebe se faz isso na sua vida? Quantas vezes já fomos raposas?


163 visualizações

Commenti


Post: Blog2_Post
bottom of page